Instrumental e MPB marcam abertura do Canto da Primavera 2016 em Pirenópolis (GO)

Lucas Cássio

O Teatro Sebastião Pompeu de Pina, em Pirenópolis, foi o local escolhido para celebrar na noite desta quinta-feira (20/10) a abertura oficial do Canto da Primavera 2016, que neste ano chega à 17ª edição. Com uma apresentação que envolveu toda a planteia e que mesclou a música instrumental com a MPB, o cantor Lenine subiu ao palco a convite de Carlos Malta e da banda Pife Muderno.

20161020_canto2016_0289

O festival, que é uma realização do Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), com parceria da Rede Sociocultural, será realizado neste ano em duas fases. De 20 a 23 de outubro e de 27 a 30 do mesmo mês. As centenas de pessoas que lotaram o Teatro Sebastião Pompeu de Pina conferiram uma apresentação que não faltou protagonistas, mas onde o som produzido pelo pífano, instrumento musical de sopro e de influência indígena, se destacou em meio ao pandeiro, bateria e tambor. No repertório canções que compõem o disco Ao vivo na China, gravado em Beijing em 2011, com músicas como Açum Preto, Asa Branca e Chiclete com Banana.

20161020_canto2016_0196

O show, o mais esperado da noite, fez o público se emocionar, vibrar, cantar junto com a banda, dançar e por fim, aplaudir de pé. “A gente traz uma alegria muita grande e é isso que vamos depositar quando estivermos apresentando. As pessoas não precisam esperar nada. É só sentar e curtir o show”, disse o multinstrumentista, compositor, orquestrador, educador e produtor Carlos Malta momentos antes da apresentação. Pife Muderno é formado por Carlos Malta, Andrea Ernest Dias, Marcos Suzano, Bernardo Aguiar, Durval Pereira e Oscar Bolão. E para o show no festival a formação do grupo contou com o pandeirista Vina Lacerda e com a flautista Aline Gonçalves.

20161020_canto2016_0162

Um dos momentos mais marcantes da noite, foi a participação de Lenine no show. Essa não foi a primeira vez que os músicos dividiram o mesmo palco. “A gente tem tanta vivência juntos que as coisas acontecem meio como telepatia”, afirmou Lenine, que interpretou canções como O Canto da Ema, Quem Leva a Vida Sou Eu e Dot It. “A gente se conheceu em 1979 e foi amor à ‘primeira escutada’. A gente sentiu uma afinidade ímpar e desde então a gente se encontra sempre.

20161020_canto2016_0279

É uma parceria que vai além da música”, disse Carlos Malta. Banda Phoenix Momentos antes da apresentação da Pife Muderno, a Banda Phoenix, formada por músicos de Pirenópolis, se apresentou pelas ruas da cidade finalizando o espetáculo em frente ao Teatro Sebastião Pompeu de Pina. O público conferiu canções de músicas tradicionais da cidade.


Compartilhe!