“Faço música utilizando recursos eletrônicos”, diz Marcelo Yuka

Lucas Cássio

foto-rafaella-pessoa-10

Rafaella Pessoa

O músico Marcelo Yuka é uma das atrações da noite desta sexta-feira (28/10) do Canto da Primavera 2016. Ele, que é compositor, ex-baterista e principal letrista do grupo O Rappa, participou de uma roda de conversa, onde falou sobre a carreira e a relação entre a música e o ativismo social. Atualmente, ele viaja por todo o Brasil com apresentações em um novo formato de shows, onde os recursos eletrônicos são usados com muita ênfase para fazer música.

foto-rafaella-pessoa

Rafaella Pessoa

 

No ano de 2000 ele ficou paraplégico após ser baleado ao tentar evitar um assalto. Ele foi atingido por nove tiros, todos pelas costas. Mesmo assim, Yuka não se fez de herói e muito menos quis se tornar de vítima. Após a tragédia, Yuka ficou impedido de tocar bateria. Para ele uma solução foi passar a criar música utilizando recursos eletrônicos. Ele contou que com a nova forma de trabalhar é capaz de tocar canções que nos meios convencionais só seria possível com diversos instrumentos. 

 

Roda de Conversa

A maioria dos participantes do encontro de hoje eram jovens que enxergam no compositor uma referência de vida. “Suas letras fazem com que os jovens busquem seus ideais e dão força para continuar nossos trabalhos. Se a gente se manifesta é porque queremos um mundo melhor. Você tem uma força que move as pessoas”, declarou Tadeu, um dos participantes do bate-papo.

foto-rafaella-pessoa-8

Rafaella Pessoa

Yuka, que também é ativista social, revelou que na época dos protestos políticos de 2013 sempre se emocionava ao saber e ver que a frase “Paz sem voz não é paz, é medo” estava sendo utilizada como uma bandeira de luta. A frase faz parte de uma das composições mais famosos do músico, a “Minha Alma”.

foto-rafaella-pessoa-2

Rafaella Pessoa

Para o show no Canto 2016, Yuka vai apresentar seu novo e primeiro disco solo, “Canções para depois do ódio”. “Vai ser uma surpresa para todo mundo. É um disco que ainda não foi lançado e vai ser a primeira vez que apresentamos o trabalho em público”, avisa.


Compartilhe!