Diversidade musical e batalha de MCs marcam penúltimo dia do Canto 2016

Lucas Cássio

Tom Chris, Moka Nascimento, Dênio de Paula e Thatband e Adalto Bento Leal se revezaram em apresentações no Cine Pireneus e no Teatro Sebastião Pompeu de Pina neste sábado (29/10) na penúltima noite do Canto da Primavera 2016. As apresentações encantaram o público pela qualidade musical, que mesclou MPB, rock, instrumental e músicas regionais.

foto-rafaella-pessoa-14-1

Rafaella Pessoa

Acompanhado de um quarteto de cordas, Adalto Bento Leal deu início às apresentações, no Cine dos Pireneus. No repertório, ele mostrou alguns de seus sucessos dos 35 anos de carreira, que incluem canções autorais de ritmos como baião, tango, rock e xote.

20161029_adalto_0007

Delcio Gonçalves

Na segunda apresentação da noite, que ocorreu no Teatro Sebastião Pompeu de Pina, pai e filho mostraram muito rock em um show explosivo e que levantou a plateia. Dênio de Paula e Thatband apresentaram o show do disco Mais que a dor, que reuniu influências que vão de Robert Fripp a Lampião, o que aproximou o rock e o sertão.

Em seguida foi a vez de Moka Nascimento subir ao palco e mostrar porque é considerado o pai do rock goiano. Com o Cine dos Pireneus lotado, o músico apresentou o show Todos os Ritmos, com músicas autorais e sucessos de Pink Floyd, Deep Purple e Creedence.

20161029_moka_0028

Delcio Gonçalves

Para encerrar as apresentações de sábado no Teatro Sebastião Pompeu de Pina, o cantor Tom Chris mostrou um show que encantou pela diversidade musical e fez o público dançar por diversos momentos do espetáculo.

foto-rafaella-pessoa-13-2

Rafaella Pessoa

No repertório, Tom Chris fez homenagens a outros artistas goianos como o cantor e compositor Anderson Richards, vocalista da banda Mr. Gyn, e também a Pirenópolis, quando cantou Planeta Água e ofereceu a canção para a cidade histórica. Releituras de artistas consagrados nacionalmente, como Seu Jorge e Roupa Nova, também marcaram a apresentação.

Batalha de MC

Uma novidade nesta edição do Canto 2016 foi a realização de uma batalha de MCs, que ocorreu neste sábado (29), na Beira Rio. O encontro reuniu profissionais de Goiânia, Anápolis e Brasília.

Na competição, foi apresentado um novo jeito de fazer batalha, onde os MCs não podiam usar tons pejorativos ou que incentivassem a homofobia, racismo ou qualquer outra forma de preconceito.

foto-rafaella-pessoa-21

Rafaella Pessoa

Com 30 segundos para criar cada rima, os MCs tiveram como temas privatização, militarização, violência e política. Eles foram avaliados pelo método, postura e pela rima que criaram.


Compartilhe!